sexta-feira, 22 de junho de 2018

Secções em Cones e Cilindros


Para esta apresentação decidimos escolher a matéria sobre secções porque ao estudarmos tivemos dificuldade em visualizar os sólidos no espaço. 




Optamos por recorrer à construção de maquetas para exemplificar como ficariam os sólidos e respetivas secções de cada exercício apresentado no espaço.




Para a execução das maquetas utilizamos papel de acetato, cartão, cartolina, fita cola e tintas. Todo este trabalho é divido em um conjunto de 3 peças: Diedros, sólidos e planos.



Podemos concluir que graças à nossa maquete conseguimos visualizar melhor os exercícios propostos, visto que os sólidos construídos eram transparentes, logo era possível ver a secção muito facilmente. 

































Apesar de algumas adversidades chegamos ao nosso objetivo e a uma adesão muito positiva por parte da turma pelo facto do trabalho ser muito didático e visual.

Carolina Almeida e Catarina Melo, 11ºF

terça-feira, 12 de junho de 2018

Sombras em Isometria







Este trabalho é a representação de um móvel com uma televisão e alguns livros, com sombra. Realizado numa perspetiva isométrica em que os planos rebatidos foram o lateral e o horizontal.

Fernando Azevedo, 11ºA

Sombra de Poliedros Truncados


O nosso trabalho teve como objetivo demonstrar aos nossos colegas dois exercícios que constam de duas fichas de trabalho distintas entregues pelo professor (a ficha das secções e a das sombras) às quais adicionamos dados, unindo, desse modo, dois conhecimentos sobre sólidos que já possuíamos. 



Com a união da matéria de secções com a matéria de sombras de sólidos realizamos dois exercícios: um de sombra de um sólido truncado por um plano projetante (frontal) e um de sombra do mesmo sólido mas desta vez truncado por um plano não projetante (de rampa).





Ambos estão resolvidos passo a passo no PowerPoint que acompanhou a nossa apresentação na aula, e também estão disponíveis em formato PDF

Rita Soares e Sofia Alexandre, 11ºG

Rebatimentos











Apresentação da aluna Francisca Santos do 11ºF sobre o tema dos rebatimentos.
Pode descarregar o trabalho aqui

Apresentações

Fica aqui o registo de algumas apresentações ocorridas no final do 2º período por parte de alunos das turmas A e F do 11ºano.
Os alunos apresentaram na sala de aula material que haviam produzido ou recolhido fora dela.
Consistiram na mostra de exercícios que aprofundavam conhecimentos adquiridos ou que abordavam temáticas não desenvolvidas na aula, ou ainda na introdução do tema de trabalhos que estavam a desenvolver.
Márcia Câmara, 11ºF

Márcia Câmara, 11ºF

Maria Amaral e Benedita Faria, 11ºA

André Gomes, 11ºA



segunda-feira, 19 de março de 2018

Sólidos Platónicos e os seus Duais





O nosso trabalho teve como principal objetivo apresentar o tetraedro dual e mostrar como utilizar a verdadeira grandeza das faces do tetraedro exterior para encontrar os pontos do interior.



Começamos por fazer uma breve introdução sobre os cinco sólidos platónicos e sobre a sua importância.



De seguida, falamos sobre o conceito de dualidade e associamo-lo aos sólidos platónicos, fazendo assim a transição para o nosso tetraedro dual.



Terminamos o trabalho com uma apresentação detalhada do exercício que resolvemos para encontrar o dual de um tetraedro arranjando a sua verdadeira grandeza, que alcançamos através do método de rebatimento e do método de dupla rotação.

O trabalho foi apresentado com base num powerpoint e complementado com modelos dos sólidos mencionados.

Benedita Faria e Maria Amaral, 11ºA

quarta-feira, 14 de junho de 2017

«Quadros»



Na sala de aula de geometria descritiva, o quadro de giz corresponde, muitas vezes, a uma espécie de «mesa de café», mas apenas no sentido em que é para ele que os olhares convergem e é em torno dele que a maioria das conversas se forma. O ritmo próprio da execução dos exercícios, nessa escala aumentada, permite a construção lenta e fundamentada dos raciocínios e cria, ao mesmo tempo, espaço para divagações e improvisos. Considero que o quadro torna-se, assim, também num  instrumento essencial  para a componente formativa da avaliação, uma vez que todos participam - ou podem participar - nos exercícios que estão a ser construídos e é o momento e local certo para explorar sugestões metodológicas, detetar e corrigir erros ou esclarecer dúvidas resistentes. Mas como que a lembrar-nos da constante efemeridade das nossas ações, no fim o quadro apaga-se e tudo recomeça. Numa tentativa de contrariar essa inevitabilidade, foram-se registando ao longo do ano alguns dos nossos quadros, assim como os seus autores – alunos das turmas A do 10º ano e F,G e H do 11º - muitos deles revelando na fotografia a expressão indisfarçável e genuína do orgulho pela obra feita.
 O giz esfumou-se há muito, mas a imagem resiste ao tempo. Boas férias!

 José Cabral